Comic Con Portugal 2015 – Dia 1 – Star Wars e os outros!

Se o ano passado servisse de exemplo, a sexta-feira seria o “warm up” da Comic Con. A realidade é que foi um aquecimento com sabor a vitória para a organização. Ainda sem valores oficiais, foi fácil perceber enquanto se passeava pelo evento que esteve bem mais gente do que no ano passado.

Duas horas antes das portas abrirem, o recinto ainda aparafusava e arrumava para receber os visitantes. Aliás, até à hora da entrada ainda havia stands a afinar pormenores. Mas se tivessem tido a oportunidade de espreitar o recinto no dia anterior ficariam abismados com a velocidade com que a pequena cidade ganhou forma em menos de 24h. O que salta logo à vista é a imensa oferta em comparação ao ano passado: o gaming tem um pavilhão só para si (e o meu favorito, diga-se); a restauração tem um pavilhão só para si (fica a recomendação da sandes de frango e bola de berlim com Nutella do “Comida de Rua“); há mais clima, com uma maior envolvência das varias culturas por todo o lado; há bem mais stands (principalmente no pavilhão “principal” em que é muito fácil perder a cabeça com a oferta) e há mais mentalidade de Comic Con…

Nathalie Emmanuele

Infelizmente não pudemos desfrutar da companhia da actriz na sala de imprensa pois Portugal foi uma breve pausa a caminho de Berlim, mas isso não quer dizer que tenha sido menos satisfatório. Claramente nervosa, a bela Missandei espalhou simpatia e simplicidade no Auditório A, onde respondeu a perguntas dos fãs e daquele que cisma em ser o melhor anfitrião da CC todos os anos, Luís Filipe Borges. Nathalie respondeu a todas as questões de foro profissional e pessoal e nem alguns problemas técnicos iniciais lhe desarmaram o sorriso. Obviamente que a maior parte das perguntas se focaram em “Game of Thrones” e com elas houve algum “receio” aparente na sua face. Sempre que o tema era a relação entre actores, tudo bem, quando havia uma ânsia do publico em saber novidades da sexta temporada notava-se um medo em poder dizer algo que a comprometesse. Sabemos bem o sigilo que é exigido aos actores da série.

Entre vários temas, Nathalie disse que Beyoncé tem um papel importante em invocar o girl power quando contracena com Daenerys, que acha absolutamente “doce” o romance com Grey Worm (tão diferente da violência da série), adora a humanização do casal desde a terceira temporada, fugiu a sete pés do tema “Jon Snow”, está conformada se a sua personagem morrer porque pensava que não passava da terceira temporada, agradeceu o apoio fundamental de Emilia Clarke na integração e a boa disposição de Peter Dinklage, que gostava que Cersei se suicidasse, que não sente qualquer pudor com a própria nudez, que adorava passar tempo com Lady Olenna e que adoraria ressuscitar Ned Stark e Oberyn Martell. Fora do mundo de George R.R. Martin, a actriz confessa-se “desinteressante” e diz que passa o tempo off a cozinhar para si, a lavar a sua própria roupa e a passar tempo com a família e amigos em jantares temáticos, recorda a simpatia de Paul Walker, sonho em fazer skydive e visitar a Índia e a Tailândia, que voltará para “Maze Runner 3” e possivelmente “Fast and Furious 8” e que sonha um dia ser professora de yoga e ter a sua própria casa de chá.

Em muitos aspectos fez-me lembrar Morena Baccarin: nervosa, não muito habituada a estar no centro de tantas atenções, mas simpática e carinhosa.

Stands

Houve claramente uma maior aposta neste sector, em que as marcas perceberam o potencial e fizeram-se representar. As duas maiores falhas são a ausência da FOX (depois de terem sido a principal presença no ano passado) e a Syfy, que teve uma exposição tão boa e este ano se limitou a uns “props” de “Heroes”. Em contrapartida, têm o trono de ferro que permite aos visitantes vestirem-se a rigor e tirarem uma foto (não se esqueçam de enviar para o vosso mail no final – é possível que vá para o spam). Tudo o resto cresceu: quer a nível de oferta de livros, material relacionado com inúmeras animes, uma grande presença da Asus e Xbox… As grandes estrelas (o que não surpreende), foi mesmo o trono de ferro, o DeLorean e o stand da MOV que permite tirar fotos suspenso no ar. Uma pequena nota: experimentem o 3D e o mini-cinema do stand da FNAC.

 

Star Wars

Se no ano passado o tema principal pelo recinto era FOX e séries de televisão, o rei e senhor deste ano é a saga mais famosa do cinema. Não só todo o stand que se preze tem merchandise dos filmes mas como se respira tudo o que é deste universo no ar. Muitos cosplay, muitos adereços espalhados pela exposição, Star Wars Rebels, a fantástica Legião 501 e tudo o que seja da marca chama imediatamente a atenção dos visitantes.

 

Cosplay

The game is strong… but will be stronger. Embora tenha visto cosplay poderosíssimos neste primeiro dia, acredito que ainda não vimos o melhor que este mundo tem para oferecer ao evento. O que é certo é que há mais visitantes a envergarem verdadeiros uniformes que nos fazem virar a cabeça. Seja muito ou pouco, o que interessa é o espírito da “coisa”. Acredito que o sábado vai trazer mais e melhor deste mundo, para nosso delight. Nunca é demais referir isto: o cosplay não é o meu mundo, e uma grande parte passa-me completamente ao lado (os animes), mas são os cosplayers o verdadeiro espírito da Comic Con! Sempre com grande alegria, sempre disponíveis para tirar fotografias com quem lhes pede e acima de tudo de louvar a dedicação que dedicaram às indumentárias. PS – Eu nomeio o pequeno Kylo Ren (se que se faz acompanhar pelo pai igualmente awesome) como o grande vencedor de “fofura” do primeiro dia.

 

Público

Além do aumento em número, a destacar a maior diversidade desse público. Houve gente que passou a maior parte do dia num só pavilhão, o seu favorito. Enquanto o foco estava centrado em Nathalie, havia quem se divertisse mais nos jogos, ou nas animes ou nas compras. Nesse aspecto, a organização conseguiu o seu objectivo: tornar a Comic Con num evento de cultura pop, para massas, e não só um sítio onde podemos ver actores de cinema/televisão e que POR ACASO também tem outras coisas. Foi também notório um maior conhecimento das pessoas do que é uma Comic Con, quer por serem repetentes, quer por se renderem ao que os rodeia e se deixarem levar. Agora a entrada é efectuada no outro lado da Exponor (quem entra, do lado direito, quase nas traseiras), e há um pavilhão enorme para albergar as pessoas à espera de entrar, com filas independentes para os diferentes tipos de bilhete.

O Problema Teen Wolf

Devido a compromissos profissionais, o painel de “Teen Wolf” sofreu alterações de actores e de dia, passando de sábado para domingo. Como é óbvio, isso causou transtorno aos fãs que vão deslocar-se ao recinto principalmente para verem os seus actores. Assim que a organização avisou na página oficial do Facebook, muitas foram as “vozes” de revolta pelo sucedido. Antes de mais quero deixar bastante assente que é completamente compreensível a frustração e a direcção, ciente disso, já ofereceu resolução (pessoas que tenham bilhete para sábado, podem usar no domingo se tal não for usado previamente). É claro que isso não resolve o transtorno de agenda e transporte que possa existir, mas ajuda. O que não ajuda são as vozes que se levantam, sem conhecer a realidade ou pior, sem querer saber. É absolutamente impossível para a organização da Comic Com prevenir estas más surpresas. Em conversa com algumas pessoas que fazem a máquina olear, é possível perceber que há uma grande preparação, há vontade de trazer os artistas desejados pelo público, há garantias exigidas, há planos de contingência… mas há ainda assim coisas que não é possível prevenir. Felizmente este problema não se colocou com as duas grandes cabeças de cartaz (Noble e Emmanuele), mas a entidade mais afectada por tudo isto é mesmo a organização, que não ganha nada com estes cancelamentos. Novamente, percebem-se as queixas e a urgência em resolver a situação por parte dos afectados, não se percebe aqueles que aproveitam a situação para criticar a organização de um evento que nem sequer pensam visitar, criticar a fraqueza da organização quando é mais que notório que não querem saber como as coisas funcionam, e até para criticar o povo português por ser uma “malta” que mais uma vez falha em coisas básicas… é preciso paciência que eu não sei se tinha, mas acima de tudo, como bons portugueses, é preciso levantar a voz quando as coisas correm mal e silenciar na altura de enaltecer as coisas boas.

 

Voluntários

Estão melhores do que o ano passado, no entanto é ainda notória alguma ignorância sobre as actividades que estão a controlar e por vezes ainda vemos grupos a circular pelo evento sem que se entenda o seu propósito. Além disso, a entrada no recinto não foi “suave” e houve alguma lentidão e processo de aprendizagem. Mas a prova de fogo é este sábado e domingo, em que haverá grandes testes em todas estas áreas. Depois disso formarei a minha opinião.

Amanhã é dia de recebermos o John Noble, que é para mim o grande “foco” desta Comic Con. Estou entusiasmadíssimo por o conhecer. Espero uma grande enchente (se o ano passado serve de exemplo) e mais cosplayers para encantarem os corredores. Podem seguir o TV Dependente no Facebook e Twitter, ou então o meu twitter pessoal (@vitorodriguestv) para novidades.

Partilha o post do menino no...