Ranking dos Tronos: Balanço

Quando me propus fazer o ranking dos episódios percebi, desde logo, que a fazer teria de ser em grande. No final achei que deveria dedicar um post aos números, estatísticas e curiosidades daquela que é a minha série favorita de sempre. Deu mesmo muito trabalho, mas deu também muita satisfação em esmiuçar (e rever, mais uma vez, e outra) os episódios. Venha a oitava temporada que já se faz tarde!

AUDIÊNCIAS
Bem, que dizer das audiências? A série tem crescido exponencialmente e são raras as quebras. A HBO não podia estar mais contente com o seu desempenho e sinal disso é o aumento do orçamento que a série tem tido direito todos os anos. Se tivermos em consideração apenas a primeira visualização dos episódios, a série conseguiu três milhões após T1, acima dos quatro na T2, cinco milhões e meio depois da T3 e acabou a T4 nos sete milhões de espectadores. Na T2 já era a terceira série mais vista de sempre na HBO e na T4 tornou-se a série mais vista, superando “Sopranos”, com 18.5 milhões de espectadores. Na T7, o número médio de espectadores é quatro vezes mais que na T1, o dobro da T3. São números incríveis e que representam bem o quanto o público se fixou na série.

Outra marca do sucesso são os números da pirataria, em que se sagra sempre campeã todos os anos (excepto no primeiro ano, em que ficou atrás de “Dexter”). A HBO não parece preocupada e considera os valores um elogio à qualidade da serie, e não estão enganados. No que a Emmys diz respeito, também bate recordes:

  • Season 1 – 13 nomeações e 2 vitórias.
  • Season 2 – 12 nomeações e 6 vitórias.
  • Season 3 – 17 nomeações e 2 vitórias.
  • Season 4 – 20 nomeações e 4 vitórias.
  • Season 5 – 24 nomeações e 12 vitórias.
  • Season 6 – 23 nomeações e 12 vitórias (ultrapassou “Frasier” como série mais premiada de sempre).
  • Season 7 – 22 nomeações e 9 vitórias.


REALIZADORES E ARGUMENTISTAS

A tradição de Thrones diz que um realizador, normalmente, orienta dois episódios seguidos, por isso não é de admirar que só haja números pares (a sétima temporada veio baralhar a coisa): Alan Taylor é o mais requisitado, mas pode-se dizer que há cinco principais em toda a série. Tim van Patten realizou os primeiros dois e Miguel Sapochnik é o homem das grandes batalhas. Curiosidade para o facto dos criadores da série apenas terem realizado por duas vezes (3×03 e 4×01). Por falar nos criadores, são eles os senhores dos argumentos, com 47 créditos. Seguem-se Bryan Cogman (5) e George R.R. Martin, que deixou de escrever na últimas temporadas (assim que a série ultrapassou os livros). Vanessa Taylor é a mulher com mais créditos e Jane Espenson também teve um pelo seu contributo no 1×06.




CENAS POR EPISÓDIO

Considerei cenas individuais sempre que há um corte ou há uma mudança de local. Uma conversa entre duas personagens será apenas uma cena a não ser que entre outra. “Hardhome” é apenas um local mas há muito a acontecer. Não é uma ciência exacta mas tentei que o fosse o mais possível. Engane-se quem pensa que episódios maiores têm mais cenas ou que episódios de grandes batalhas menos. O que é mais ou menos perceptível é que os episódios de início e de fim de temporada normalmente têm mais cenas por estarem a lançar ou encerrar arcos. Há medida que vai havendo mais personagens, há mais saltos e isso explica o maior número de cenas. Curioso que a T4 se destaca, com os dois episódios com mais cenas (9 e 2). Os episódios com menos cenas são todos na T2.

DURAÇÃO DOS EPISÓDIOS

No que toca à duração, considerei desde o momento em que o genérico começa (ou as intro) até ao momento em que começam os créditos. Os minutos foram arredondados por excesso (se acabou ao 49m13s arredondei para 49m30 e se foi aos 49m37 passa a 50m00s). Normalmente os episódios mais longos são sempre os finais de temporada e curiosamente os mais decisivos/carismáticos figuram entre os mais curtos. Isso é mais visivel em episódios de grandes batalhas. À excepção do piloto, as primeiras duas temporadas foram mais regulares e a T4 teve o mais longo (10) e o mais curto (9) da série até então. O que podemos mais concluir do gráfico é que a premissa de que os episódios foram ficando exponencialmente maiores é mito.

GENÉRICO
Para quem, como eu, que nunca passa o genérico à frente, esta parte é para vocês. O genérico em si é um dos pontos de qualidade na série, com uma musica perfeita e épica, num estilo inconfundível que recebeu imensos elogios pela criatividade. A série já teve 21 localizações diferentes e apenas King’s Landing, a Muralha e Winterfell (em três formatos diferentes) foram a constante nos 67 episódios. A quarta constante é a localização de Daenerys, que figura sempre. A sétima temporada foi a primeira que não teve qualquer local de Essos (lá está, porque Dany já estava em Westeros) e apenas cinco episódios tiveram introdução antes do genérico (1×01, 3×01, 4×01, 6×07 e 7×01). Meereen é a “variante” mais utilizada. A série nunca teve nada a Norte da Muralha (Craster’s Keep, por exemplo), mas a verdade é que raramente se fica no mesmo sítio mais que um episódio e não vale a pena o investimento. Curiosidade: o episódio 4×06 (The Laws of Gods and Men) foi o primeiro a ter duas localizações no Continente de Essos simultaneamente.

King´s LandingMuralhaMeereenWinterfellBraavosWinterfell (chamas)DragonstoneWinterfell (Bolton)HarrenhalPykeVaes DothrakDorneRiverrunOldtownQarthThe EyrieYunkaiThe TwinsAstaporMoat CailinEastwatchPentosInicialTotal

NOVAS PERSONAGENS / MORTES

Aviso desde já que estes valores estão sujeitos a um pouco de interpretação da minha parte. Nem todas as mortes figuram nestes dados (personagens que nem sabemos o nome não as incluí). Quanto a novas personagens, o expectável acontece, com os picos a ocorrerem no início das temporadas quando novos arcos são introduzidos (com a T1 e T2 a serem as mais destacadas). Houve 14 episódios sem personagens novas e 12 sem mortes, mas apenas três tiveram zero nas duas categorias: 3×10 (Mhysa), 5×05 (Kill the Boy) e 7×04 (The Spoils of War). Na T7, se excluirmos os dois jovens Ned Umber e Alys Karstark do primeiro episódio e Rhaegar Targaryen no flashback, apenas o Archmaester da Citadela foi introduzido. Por razões óbvias (e por óbvias, digo Cersei), o finale da T6 é o mais sangrento, com o da T5 por perto.

TEMPORADAS

Se ao melhor episódio do ranking der 67 pontos e ao pior 1 ponto, a melhor temporada é a T4. O que não me surpreende porque é de facto a mais consistente para mim. A T6 e T3 ficam quase empatadas no pódio e a T2 arrecada a distinção de temporada menos memorável. * Porque a sétima teve menos três episódios, sai prejudicada nos pontos. Inseri depois do pódio porque nem a considerei exceptional nem das piores. Teve momentos incríveis mas muito encontro entre personagens que era evitável.

  • Season 4 – 502 pontos
  • Season 6 – 412 pontos
  • Season 3 – 397 pontos
  • Season 7 – 261* pontos
  • Season 5 – 264 pontos
  • Season 1 – 244 pontos
  • Season 2 – 198 pontos

BEAUTIFUL DEATHS
Para concluir, ficam aqui os 67 posters com as “Beautiful Death”. Estas obras de arte incríveis foram criadas por Robert M. Ball, em associação com a HBO, para assinalar as mortes mais marcantes da série ao longo dos episódios.

Espero que tenham gostado e obrigado por lerem este pergaminho. No final da última temporada irei actualizar os dados (e o ranking) com os seis novos episódios. Boa temporada a todos!

Partilha o post do menino no...